VÁRZEA GRANDE

TECNOLOGIA

Inteligência artificial reduz 45% dos casos de assédio em corridas de app

Avatar

Publicados

TECNOLOGIA


source
Passageiras recebem proteção de sistema
Unsplash/Jenny Ueberberg

Passageiras recebem proteção de sistema

Uma inteligência artificial conseguiu reduzir em 45% o número de casos de assédio contra passageiras mulheres em corridas realizadas pela 99 , afirma a empresa. Chammado de Pítia, o sistema prevê corridas mais vulneráveis e tenta solucionar o problema.

Para isso, a inteligência artificial mapeia quando uma mulher solicita corridas durante a noite, mais longas, chamadas por terceiros ou partindo de regiões com bares e baladas. Nesses casos, a Pítia considera que se trata de uma situação de potencial risco e, então direciona as corridas apenas para motoristas mulheres ou motoristas com melhor qualidade de atendimento. Em quatro meses de testes, o sistema reduziu os casos de assédio em 45%, afirma a 99.

Junto com a Pítia, foi testada também a inteligência artificial Atena, com foco na conscientização. Antes do embarque de passageiras, o sistema envia aos motoristas orientações para que eles mantenham o profissionalismo e respeito. Nesse caso, em uma semana de uso, a novidade reduziu os casos de assédio em 17%.

“Com tecnologia de ponta, somos hoje capazes de identificar as situações de maior risco e atuar antes mesmo que um problema aconteça”, diz Veronica Devia, gerente de Responsabilidade Social da 99. “Usar inteligência artificial é o mesmo que ter especialistas em segurança feminina monitorando, 24 horas, cada uma das corridas do app. Tudo isso em menos de um segundo”, continua.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Foguete soviético de 48 anos cai sobre o Pacífico

Avatar

Publicados

em

Por


source
Mapa da queda do foguete soviético
Twitter

Mapa da queda do foguete soviético

O corpo de um foguete descartado no espaço há 48 anos reentrou na atmosfera na noite da última sexta-feira (23), provavelmente sobre o Oceano Pacífico . O objeto era o segundo estágio do foguete soviético Kosmos-3M, que foi lançado em 26 de dezembro de 1973 a partir do Cosmódromo de Plesetsk. O foguete colocou em órbita o satélite DS-U2-GKA (ou Aureole-2), que tinha como objetivos investigar a atmosfera superior da Terra em latitudes elevadas e estudar a natureza das auroras polares.

As últimas previsões divulgadas horas antes da reentrada, previam que ela deveria ocorrer aproximadamente às 15:55 (horário de Brasília) sobre o Ártico. Entretanto, os últimos parâmetros orbitais calculados a partir de uma observação do objeto feita às 15h13 desta sexta, indicam que sua reentrada ocorreu pela noite, por volta das 19h10.

O Comando Estratégico dos Estados Unidos (USStratCom) normalmente divulga uma nota indicando o local de queda dos objetos mais perigosos. Eles controlam satélites capazes de identificar as assinaturas de calor produzidas pela reentrada de objetos em órbita. Mas nesse caso, como o SL-8 R/B não oferecia grande risco, não houve acompanhamento da USStratCom e eles não divulgaram, e provavelmente não divulgarão, essa nota. Com isso, a data e o local exatos da reentrada devem permanecer desconhecidos.

Reentrada não oferecia riscos

Quando lançado, o segundo estágio do Kosmos-3M tinha mais de 20 toneladas, mas depois de queimar e drenar seu combustível, ele ficou com “apenas” 1,4 toneladas de massa. É uma peça cilíndrica com 6 metros de comprimento e 2,4 metros de diâmetro.

Você viu?

Entretanto, graças à enorme velocidade em que a reentrada ocorre, cerca de 28 mil km/h, a atmosfera terrestre funciona como um escudo, desintegrando quase que completamente o objeto. Durante o processo de reentrada, os gases atmosféricos são aquecidos e ionizados, gerando uma enorme bola de fogo que pode ser vista a centenas de quilômetros de distância. O calor é tão elevado que vaporiza completamente até 80% do objeto. O pouco que sobra, é fragmentado e freado pela resistência do ar, e chega à superfície praticamente inofensivo.

Apenas os componentes mais maciços resistem à passagem atmosférica. Geralmente a carcaça do motor e os tanques de pressurização tem essa capacidade. Apesar de não serem partes tão leves, o risco de que eles causem algum dano em solo é extremamente pequeno. Dois terços da superfície do planeta são cobertos por oceanos e as áreas continentais ainda contam com uma enorme quantidade de regiões pouco povoadas ou completamente desabitadas.

No caso dessa reentrada, aconteceu o que era mais provável: ela ocorreu sobre o Oceano Pacífico. E como foi num horário em que era dia por lá, muito dificilmente foi visto ou registrado por alguém.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

O post Foguete soviético de 48 anos caiu sobre o Pacífico na última sexta (23) apareceu primeiro em Olhar Digital .

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Twitter censura? Entenda a "limpeza" de contas falsas feita pela rede social
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA