VÁRZEA GRANDE

TECNOLOGIA

Apple é processada por reduzir bateria do iPhone com iOS 14.5

Avatar

Publicados

TECNOLOGIA


source
Apple é acusada nos EUA
Unsplash/zhang kaiyv

Apple é acusada nos EUA

A Apple está sendo processada nos Estados Unidos por um grupo de usuários que alega que as atualizações recentes do iOS “danificaram os iPhones ao reduzir drasticamente as velocidades de processamento e a vida útil da bateria “. As informações são do site especializado Apple Insider, e esta não é a primeira vez que a gigante de tecnologia enfrenta processos por obsolescência programada .

De acordo com o processo, os problemas foram percebidos com as atualizações para o iOS 14.5 , iOS 14.5.1 e iOS 14.6. “A Apple se beneficia por não ter que dizer aos usuários atuais e futuros do iPhone que as atualizações anunciadas para adicionar recursos desejáveis ​​e corrigir a segurança e outros bugs têm uma desvantagem significativa na forma de redução da velocidade de processamento e vida útil da bateria”, afirmam os reclamantes.

O processo ainda alega que a Apple tenta enganar os usuários, convencendo-os a baixar novas versões do sistema operacional que irão tornar os iPhones obsoletos. Assim, a empresa estaria forçando a compra de modelos mais novos.

A acusação, feita na semana passada, ainda diz que a Apple não permite atualizações de segurança sem o update da versão do iOS . Em anúncio na segunda-feira (7) durante a WWDC 2021 , a empresa disse que isso irá mudar .

Esta não é a primeira vez que a Apple é acusada de obsolescência programada . Em 2017, diversas acusações surgiram a respeito da diminuição da vida útil da bateria , polêmica que ganhou o nome de BatteryGate . Processos no mundo todo continuaram por anos, e a empresa chegou a ser multada.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Aplicativo feminino de traição alcança 150 mil usuários no Brasil

Avatar

Publicados

em

Por


source
Aplicativo de traição bomba no Brasil
Unsplash/We-Vibe WOW Tech

Aplicativo de traição bomba no Brasil

Pensado por mulheres e feito também para elas, o app Gleeden é o primeiro site voltado para encontros entre pessoas casadas. Segundo a plataforma, a experiência é para quem “esteja procurando uma aventura extraconjugal perto de casa ou um amante a milhares de quilômetros para suas viagens.”

O app , chamado Gleeden, surgiu em 2009, na França, e já está presente em vários países, como Espanha, Itália, México e, recentemente, Brasil. De acordo com o site Universa, do UOL, a plataforma já reúne 7 milhões de perfis cadastrados pelo mundo e, dentre esses, 150 mil são de brasileiros.

O site promete segurança , liberdade e anonimato, tanto que a maioria das contas não possuem fotos – ou apenas partes do corpo – e os nomes, geralmente, são fakes. O app não aceita apenas pessoas casadas, bem como não apenas mulheres, no entanto, nas informações do perfil é obrigatório informar seu status de relacionamento e, no caso dos homens, é necessário comprar créditos para usar o serviço. Para mulheres, o app é totalmente gratuito.

Dentro do programa, as mulheres decidem tudo, inclusive, avaliam homens com like ou dislike. Existe também um tipo de “Botão de Pânico” ou “Saída de emergência”, que aciona o modo alerta e sai do app rapidamente, redirecionando a usuária ao Google .

Leia Também:  Embraer apresenta carro voador elétrico; veja vídeo

Você viu?

Por que elas traem?

De acordo com uma pesquisa feita pelo próprio site do Gleeden em março deste ano, 27% do público feminino aponta o sexo como principal impulso para entrar no aplicativo e 34% das usuárias responderam que trair os companheiros as deixa mais “felizes e vivas.” Mesmo o app tendo sido feito para mulheres, elas ainda ocupam uma pequena porcentagem de cadastros no site. Em entrevista a Universa, a psicóloga e sexóloga Sandra Vasques atrela isso ao machismo.

“A traição feminina é vista de um jeito diferente da masculina. Se um homem quando trai, falam: ‘Ah, é normal, é coisa do gênero, não conseguiu ser fiel’. Já a mulher quando trai ela é chamada de promíscua, dizem que ela não dá valor para a família, que ela é fraca”, explicou a especialista.

A psicóloga ainda acrescenta que “tanto um homem quanto uma mulher que traem podem ser mais felizes depois do ato. [Mas] se a pessoa está em dúvida ou tem medo, pode ser que não. A traição não é uma passagem nem para a felicidade nem para a infelicidade, vai depender dos valores e das escolhas de quem está traindo. Caso ter um relacionamento extraconjugal vai de encontro aos desejos dela, e aquilo não fere nenhum julgamento moral, a resposta é positiva”. Contudo, assumir um relacionamento e garantir fidelidade a uma pessoa é algo importante e que deve ser respeitado, bem como a vida emocional do parceiro.

“Se você fez um compromisso com a pessoa de que vai ser fiel, você assumiu uma responsabilidade que a princípio devia ser cumprida. Quando você se dá conta de que não quer mais ser monogâmico, acho que é legal tocar no assunto com seu parceiro”, orienta a sexóloga, que ressalta a opção de “abrir o relacionamento”. Muitos casais optam pelo relacionamento aberto para evitar conflitos vindos de traições, mas nem todos estão preparados para a experiência, que requer maturidade e consentimento entre o casal.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA