VÁRZEA GRANDE

POLÍCIA

Drogas sintéticas, arma e dinheiro são apreendidos com dupla que traficava próximo a escola em Confresa

Avatar

Publicados

POLÍCIA


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT 

Cento e oitenta compridos de drogas sintéticas, diversas porções de cocaína, dinheiro e uma arma foram apreendidas pela Polícia Civil nesta quarta-feira (14), em Confresa, na região nordeste do estado, com dois suspeitos de traficar entorpecentes na cidade, inclusive perto de uma unidade escolar.

A equipe de investigação da Delegacia de Confresa estava em monitoramento para apurar informações sobre a distribuição de drogas na cidade, feita por um rapaz de 22 anos.

Os policiais conseguiram abordar o veículo conduzido pelo suspeito, na BR-158, e com ele estava um adolescente de 15 anos. Ambos ficaram bastante nervosos na presença da equipe e o suspeito disse que não tinha habilitação e o carro seria de um amigo, de quem emprestou para fazer a entrega dos entorpecentes. Diante da abordagem, ele acabou indicando que em sua residência havia mais drogas, além da já encontrada no veículo, e dinheiro.

Após autorizar a entrada dos investigadores na casa, foram localizadas porções em diversos lugares da residência, entre elas 36 embalagens com cocaína e 180 adesivos de LSD. Uma pistola calibre 380, carregador, munições, máquina de cartão, balança digital e aparelhos celulares também foram apreendidos. O dinheiro apreendido totalizou R$ 1 mil.

Leia Também:  Nova obra jurídica reúne trabalho de 24 delegados de diversos estados, entre eles três de MT

Diante de todo o material encontrado, os dois foram detidos e encaminhados à Delegacia da Polícia Civil. A mãe do adolescente foi comunicada da apreensão.

O adulto foi autuado em flagrante pelos crimes de tráfico e associação ao tráfico de drogas, posse irregular de arma de fogo e corrupção de menor de idade. O adolescente de 15 anos foi apreendido e responderá pelos crimes análogos a tráfico e associação para o tráfico de drogas.

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Inquérito sobre homicídio de produtor rural é concluído e 4 são indiciados pelo crime

Avatar

Publicados

em

Por


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil em Campo Novo do Parecis concluiu o inquérito que apurou o homicídio do produtor rural Jeferson Mariussi, de 36 anos, e indiciou o mandante do crime por homicídio qualificado e os executores por homicídio qualificado e porte ilegal de arma de fogo de uso proibido.

Os quatro envolvidos no homicídio permanecem presos. O inquérito foi remetido ao Poder Judiciário na segunda-feira (29), quando foram cumpridos os mandados de prisão preventiva contra os criminosos.

Jeferson foi alvejado por disparos de arma de fogo, na noite do dia 27 de outubro, ao chegar em um imóvel, no Jardim Alvorada, em Campo Novo do Parecis. Ao descer do seu veículo, ele foi alvejado por tiros disparados de dentro de um veículo Pálio onde estavam os três identificados como executores do homicídio.

Prisões em flagrante

Logo após atirarem em Jeferson, o trio fugiu em direção a Tangará da Serra e foi interceptado por militares da Força Tática do município, depois da comunicação do crime. Com os suspeitos foram apreendidas duas armas de fogo, uma pistola e um revólver, e outros materiais utilizados na empreitada criminosa.

Durante a abordagem, os três afirmaram que o homem de 34 anos teria sido o mentor e executor do crime de homicídio.

Investigação

Conduzida pela Delegacia de Campo Novo do Parecis, a investigação apurou que o mandante do crime contratou um dos executores, de 33 anos, aproveitando que este prestava serviços de vigilante e segurança e era seu conhecido. Depois, o executor contratado chamou outras duas pessoas, de 26 e 30 anos, para planejar a execução da vítima.

Leia Também:  Foragido da Comarca de Sapezal tem prisão cumprida no município de Comodoro

A Polícia Civil esclareceu ainda que o mandante teria realizado transferências bancárias para um dos executores, em valor aproximado de R$ 25 mil.

Os investigadores reuniram informações que demonstram que os executores estiveram em Campo Novo do Parecis em pelo menos duas ocasiões nos dias antecedentes o crime, em uma delas o trio foi até a propriedade da família da vítima para ofertar serviços de segurança. Assim como o mandante esteve em Tangará da Serra, mantendo contato com dois dos envolvidos na execução.

Conforme a apuração da Polícia Civil, o mandante decidiu pelo crime porque sua ex-mulher reatou com a vítima, com havia mantido um longo relacionamento no passado.

Crime

No dia do fato, o mandante deixou seu veículo, uma camionete, na casa do cunhado de um dos executores, de quem haviam alugado o Pálio usado no homicídio, e seguiu para Campo Novo do Parecis. Depois, um dos executores buscou a camionete do mandante e a levou até Campo Novo.

A vítima e sua mulher estavam em Tangará da Serra e seguiram em carros diferentes até Campo Novo do Parecis, indo primeiramente à casa de um familiar de Jeferson. Os policiais civis apuraram que o veículo com os executores já estava vigiando a vítima e quando Jeferson saiu do local, eles seguiram logo atrás.

Leia Também:  Polícia Civil incrementa tecnologia e lança novas ferramentas móveis para uso dos profissionais da instituição

Depois que a vítima e sua mulher chegaram na residência que iriam comprar, ela entrou com o veículo na garagem e ele estacionou na rua. Em seguida, surgiu em alta velocidade o veículo com os criminosos, que se aproximaram da vítima e efetuaram vários disparos de arma de fogo. Jeferson ainda tentou correr, mas os executores o alcançaram e fizeram outros disparos e fugiram na sequência.

Enquanto o trio fugia em direção a Tangará da Serra, o mandante do crime foi para a cidade de Sapezal, na tentativa de assegurar um álibi. Posteriormente, ele voltou a Campo Novo do Parecis e procurou uma companhia da Polícia Militar, após o trio ser preso em Tangará da Serra e afirmado que ele seria o mandante do crime.

O delegado Honório Gonçalves Neto, responsável pelo inquérito, destaca que toda a dinâmica do crime, desde os movimentos do mandante e dos executores, até a execução de Jeferson Mariussi, está comprovada em depoimentos de testemunhas, materiais coletados nos locais, perícias, assim como outras informações que atestam que os quatro estiveram nos locais e horários apontados na investigação.

No decorrer da apuração do crime, o delegado representou pela prisão temporária dos quatro e na conclusão do inquérito foi decretada a prisão preventiva, cumprida nesta segunda-feira.

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA